Compreenda as diferenças entre adquirentes, subadquirentes e gateway de pagamento

Como lidar com a sazonalidade em academias?
29 de outubro de 2018
Você sabe como gerar receita com produtos de cobrança recorrente?
29 de outubro de 2018

Man holding credit card and using laptop. Online shopping

Diversificar as formas de receber pagamentos é essencial para manter-se competitivo e relevante. A cobrança em cartão de crédito é, atualmente, uma das principais alternativas de pagamento, no entanto, o empreendedor deve estar atento para poder escolher aquela que mais se encaixa em seu perfil, como adquirentes, subadquirentes e gateway.

A seguir, vamos explicar como cada um desses agentes age e quais são as diferenças entre eles. Confira!

Qual a melhor opção pra cobrança em cartão de crédito?

Para disponibilizar o cartão de crédito como opção de pagamento,  o empreendedor deve saber escolher a melhor opção de acordo com o seu modelo de cobrança (Recorrente, Parcelado e a Vista), além do tamanho e volume de transações, quais os recursos operacionais disponíveis e também como garantir esse processo mais seguro para o cliente.

Por padrão, as Bandeiras/Bancos Emissores, as transações são cobradas em percentual e a transferência do valor é realizada para a conta do lojista no prazo estipulado em contrato, que normalmente é de 31 dias, exceto quando é solicitado a antecipação de valores, encarecendo o custo da transação.

Existem algumas opções disponíveis, e todas elas apresentam apresentam vantagens e desvantagens, por isso deve-se entender como o mercado funciona antes de escolher a melhor.

Entenda como funciona o mercado e qual a melhor opção.

Adquirentes

As adquirentes são como agentes operadores responsáveis por processar as operações de cartões de crédito e de débito junto às bandeiras de cartões e aos bancos. Alguns exemplos de adquirentes no Brasil são: Rede, Cielo e GetNet.

Essa alternativa possibilita um checkout transparente, ou seja, o cliente não é redirecionado para sites de terceiros, o que aumenta as chances de fechamento da compra.

Em contrapartida, apresenta-se como desvantagem desse modelo a necessidade de contratar um sistema antifraude próprio para garantir a segurança das transações. ou um Gateway para realizar a conexão com as Adquirentes.

Com a adquirente o processo realizado é o seguinte:

  • cliente > loja > adquirentes > bandeiras/bancos emissores

Subadquirentes

As subadquirentes são responsáveis por realizar a mediação entre todas as partes envolvidas na transação, como cliente, lojista e bancos. Essas empresas têm contratos com diferentes adquirentes, fazendo com que loja possa aceitar mais bandeiras sem precisar de várias negociações por parte do lojista.

Como vantagem das subadquirentes destaca-se que elas já têm integração com serviços de gateway e sistema antifraude, o que torna a aquisição e implantação dessa solução mais fácil.

No entanto, essas facilidades são possíveis devido a um modelo de cobrança mais elevado para o lojista, ja que as tarifas são em percentual sobre o valor, com taxas que podem chegar a até 5%. No caso de compras parceladas as taxas podem ser custar até 20% mais altas somente pela transação.

Outro aspecto negativo das subadquirentes é que o processo de pagamento, geralmente, inclui redirecionar o cliente para concluir a compra em outro site. Essa ação é responsável por uma maior taxa de abandono de carrinho, pois prejudica a experiência do cliente.

O fluxo do processo de pagamento com a subadquirente funciona da seguinte forma:

  • cliente > loja > subadquirente > adquirente > bandeira/banco emissor

Esse processo pode tornar a aprovação de pagamento mais demorada se não for realizado por API´s ou WebSerivces, além do fato de que o sistema de crivo das subadquirentes é mais rígido, sendo responsável por um número mais elevado de compras negadas.

No mercado, essa solução também é conhecida como “intermediadores” ou “facilitadores”. De fato, a implementação é simplificada para o lojista, sendo muitas vezes a alternativa mais indicada para pequenos e médios negócios pela facilidade de implantação e modelo de negócio.

Gateway de pagamento

Os gateways são soluções que processam o pagamento no momento do checkout e facilitam a integração do e-commerce com diversas opções de pagamento. Nas cobranças em cartão de crédito, as informações são enviadas pelo gateway para o processamento de uma adquirente junto aos bancos emissores e às bandeiras para verificar as informações e o saldo do cliente.

Nesse tipo de transação,  o convênio com a Adquirente é do lojista e o valor vai direto para a conta do lojista e a cobrança é realizada, normalmente, por número de transações ou por um valor fixo por venda. Com isso, essa alternativa é mais lucrativa para o e-commerce, dependendo do porte da loja.

Um aspecto negativo do gateway para pequenos lojistas é a necessidade de estabelecer diversos contratos com adquirentes e sistema antifraude. Por sua vez, essa mesma característica é benéfica para negócios maiores e que têm um poder de barganha maior.

O sistema do gateway funciona da seguinte forma:

  • cliente > loja > gateway > adquirente > bandeiras/bancos emissores

Devido a esse fluxograma, o gateway só funciona quando acompanhado de uma adquirente. Ainda assim, esse modelo oferece diversas vantagens para o lojista, como:

  • integração facilitada com diferentes meios de pagamento;
  • as informações dos consumidores são criptografadas, aumentando a segurança das transações;
  • checkout transparente, melhorando as chances de fechamento do pedido;
  • compra em um clique, devido a tokenização dos dados do cartão, quando autorizada pelo cliente;
  • possibilidade de retentativa inteligente de pagamento;
  • disponibilidade de pagamentos recorrentes no e-commerce, como para lojas que oferecem seguros online.

As vantagens de optar por um gateway são diversas, entretanto, lojistas menores nem sempre conseguem boas negociações, tornando essa solução menos benéfica. Assim, surgem novas alternativas, como os provedores de serviços de pagamento (PSP), que unem as vantagens do gateway com as facilidades das subadquirentes.

Conhecer as alternativas de pagamento e avaliar qual delas é mais vantajosa para o negócio é essencial para manter-se competitivo, ter relevância junto aos consumidores e alcançar melhores taxas de administração da solução.

Atualmente, disponibilizar a cobrança em cartão de crédito e outros meios de pagamento, como débito, boleto bancário e transferência direta, é fundamental para atender às necessidades dos clientes. Entretanto, essas soluções devem ser seguras e eficazes, o que torna muito importante conhecer como funcionam as adquirentes, as subadquirentes e o gateway de pagamento.

Esperamos que este conteúdo tenha ajudado a identificar qual é a melhor solução de pagamento para a sua loja virtual! Acha que essas informações podem ser úteis para mais pessoas? Então, compartilhe nas suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *